Dados revelam aumento de 53% nas notificações de dengue, 331% de chikungunya e 239% de zika

A Secretaria de Estado da Saúde (SES) divulgou o boletim das arboviroses do período de janeiro a 24 de julho de 2021. Foram registrados 6.982 casos prováveis de dengue, 4.413 de chikungunya e 718 da doença aguda pelo vírus zika.

Só neste mês de julho, foram 2.300 novos casos prováveis de dengue, 1.700 de chikungunya e 100% de acréscimo nos casos de zika, em relação ao boletim anterior. Se comparar com o mesmo período do ano de 2020, houve um aumento de 53% nas notificações de dengue; 331% de chikungunya e, para os casos prováveis de zika, houve um aumento de 239%.

Foram oito registros de óbitos suspeitos por arboviroses, nos municípios do Conde (1), João Pessoa (5), Sapé (1), e Patos (1), sendo quatro descartados e dois confirmados para dengue, em João Pessoa e Patos. Dois continuam em investigação. No mesmo período de 2020, houve um óbito confirmado por dengue, em Sapé, e dois casos confirmados por chikungunya, em João Pessoa.

Em 2021, foram notificados 14 casos confirmados por vírus zika em gestantes, por critério laboratorial, nos seguintes municípios paraibanos: Baraúna (1), Cabedelo (1), Campina Grande (1), Itapororoca (2), João Pessoa (4), Natuba (1), Pedras de Fogo (1), Picuí (1), Queimadas (1) e São Vicente do Seridó (1).

Até o fechamento do boletim, 209 municípios realizaram o Levantamento Rápido de Índices para Aedes aegypti (LIRAa). Segundo os resultados enviados, 73 (34,92%) apresentaram índices que demonstram situação de risco para ocorrência de surto; 107 (51,19%) encontram-se em situação de alerta e 29 (13,87%) municípios em situação satisfatória. 10 municípios (4,78%) apresentaram níveis do Índice de Infestação Predial zero.

Portal Correio